Remédio de maconha expande mercado com pacientes idosos

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Reprodução)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Folha de S. de Paulo

Por Joana Cunha

O mercado brasileiro de maconha medicinal diversificou o perfil de seus consumidores nos últimos anos, segundo a BRCann, associação que reúne empresas do setor.

Tarso no programa do Jô Soares (Foto: reprodução)

Segundo Tarso Araujo, diretor da entidade, o mercado era antes muito concentrado em indicações para epilepsia, doença com prevalência na população mais jovem, e as indicações partiam principalmente dos neurologistas.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Em 2015, quando essa demanda começou a ser atendida no Brasil, as crianças de até dez anos de idade representavam 50% do total de pedidos de importação. A participação delas caiu para algo em torno de 20% enquanto os pacientes com mais de 65 anos subiram de 7% para um patamar próximo de 24%.

Com o amadurecimento do mercado, o produto passou a ter mais prescrições para tratamentos psiquiátricos e controle de dores, expandindo a faixa etária dos pacientes.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Araujo afirma que os investimentos das empresas em educação médica também estimularam os médicos de novas especialidades clínicas a considerar os produtos à base de cânabis como alternativa terapêutica para seus pacientes.

Veja também

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese