Startup israelense quer usar ferramentas de edição de genes para melhorar as sementes de Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A startup israelense CanBreed disse que chegou a um acordo de licenciamento para usar ferramentas de edição de genes para fornecer aos produtores de Cannabis sementes aprimoradas para a produção em grau medicinal.

A CanBreed desenvolveu o que diz ser sementes de Cannabis “estáveis” que permitirão aos agricultores cultivar a partir de sementes em vez da clonagem, como é feito agora, de ramos da planta que estão enraizados.

“A clonagem dos ramos ajuda a manter a uniformidade do DNA da maconha”, mas à medida que a planta cresce, os genes podem se expressarem de forma diferente dos da planta-mãe, explica Ido Margalit, que atua como CEO da startup.

>>> Governos da Argentina e de Israel trocam conhecimentos sobre a Cannabis medicinal

Visto que a Cannabis é uma planta medicinal, a padronização e a uniformidade são necessárias e “o uso de clones não serve para esse propósito”, disse ele. “A única solução para isso é cultivar Cannabis a partir de sementes estáveis. ”

Toda a indústria agrícola, explicou Margalit, se baseia no uso de sementes estáveis ​​para o cultivo, de tomate a trigo. “Essa prática ainda não atingiu a Cannabis e é isso que estamos fazendo”.

A empresa foi capaz de criar sementes de Cannabis estáveis ​​através da endogamia da planta com ela mesma, disse Margalit. “Mas apenas ter sementes estáveis ​​não é suficiente”, acrescentou. “O que o agricultor tem que ver são os traços agronômicos para garantir que terá a colheita da maior e mais alta qualidade, por isso gosta de ver traços de resistência em seus produtos, que a planta possa ser adaptada a um determinado ambiente de crescimento. Nenhuma dessas características existe na Cannabis. ”

>>> Israel aprova exportações de maconha medicinal

O uso de ferramentas de edição de genes permitirá à empresa criar sementes com características aprimoradas – tornando-as mais resistentes a pragas e mais adequadas para cultivo em estufas.

A empresa espera que suas sementes estáveis ​​estejam prontas para venda no meio de 2021 e também espera que seus primeiros traços sejam introduzidos até o final de 2021, com a introdução de uma semente de Cannabis resistente ao oídio. O oídio é um fungo que ataca as plantas.

>>> Não regulamentar a Cannabis medicinal é “requinte de crueldade” com as famílias, diz deputado

“Queremos ser líderes mundiais no uso da tecnologia CRISPR para Cannabis”, disse Margalit. “A ideia é vender sementes de Cannabis melhoradas e estáveis ​​para todo o mercado global.”

A startup arrecadou “alguns milhões de dólares” até agora de investidores anjos, disse Margalit, e emprega 13 pessoas em suas instalações, nove das quais são cientistas.

Fonte: informações do site The Times of Israel

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese