Um quarto dos pacientes com Parkinson usou cannabis nos últimos seis meses, revela pesquisa

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Os autores observam que a reforma da política de maconha a tornou amplamente disponível para uso medicinal e adulto. Como resultado, muitos pacientes com DP agora têm acesso legal à cannabis como uma terapia alternativa ou complementar (Foto: Reprodução/High Times/Shutterstock)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de High Times (AJ Herrington)

Quase 25% dos pacientes com doença de Parkinson relataram que haviam usado cannabis nos seis meses anteriores em uma pesquisa da Fundação de Parkinson. Um relatório sobre a pesquisa, “Removendo a névoa: uma pesquisa sobre o uso de cannabis entre pessoas que vivem com a doença de Parkinson nos Estados Unidos”, foi publicado na semana passada no jornal NPJ Parkinson’s Disease.

A princípio, no relatório, os autores observam que a doença de Parkinson (DP) é a segunda doença neurodegenerativa mais comum, afetando mais de 1 milhão de americanos a um custo de mais de 50 bilhões de dólares para a sociedade. A doença causa uma variedade de sintomas motores, como, por exemplo, tremores e rigidez. Os sintomas menos conhecidos incluem, sobretudo, distúrbios do sono, alterações cognitivas, dor, ansiedade, depressão e alucinações.

>>> Siga o Sechat no INSTAGRAM

O tratamento convencional pode não ser eficaz em todos os casos

Pacientes com doença de Parkinson geralmente usam medicamentos farmacêuticos para tratar sua condição e podem apresentar diferentes graus de sucesso. No entanto, os tratamentos comuns não tratam dos sintomas não motores. E às vezes podem causar efeitos colaterais, incluindo discinesia, uma anormalidade ou prejuízo do movimento voluntário. 

Como resultado, muitos pacientes recorrem a tratamentos complementares ou alternativos para sua doença. Um desses tratamentos alternativos é a cannabis. Em uma pesquisa do Colorado, alguns participantes relataram que a cannabis era a alternativa mais eficaz.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

“O uso medicinal da cannabis representa uma abordagem nova e alternativa para o controle dos sintomas da DP”, observam os autores. “A evidência pré-clínica sugere que os canabinoides podem ser amplamente benéficos para doenças neurodegenerativas, incluindo DP.”

Os autores observam que a reforma da política de maconha a tornou amplamente disponível para uso medicinal e adulto. Como resultado, muitos pacientes com DP agora têm acesso legal à cannabis como uma terapia alternativa ou complementar.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Mais de mil pacientes com DP pesquisados

Para saber mais sobre a eficácia da cannabis como tratamento para DP, uma pesquisa foi enviada a mais de 7.600 pessoas, que interagiram com a Fundação de Parkinson por meio de eventos ou da linha de ajuda do grupo. Um total de 1.339 pesquisas foram devolvidas, incluindo 1.064 de indivíduos que forneceram respostas completas.

Depois de analisar os dados, os pesquisadores descobriram que 24,5% dos entrevistados haviam usado cannabis nos seis meses anteriores. Entre o grupo que relatou o uso de cannabis, a maioria dos pacientes disse que a terapia alternativa proporcionou “melhora moderada ou considerável” em seus sintomas, particularmente no tratamento de ansiedade, dor, distúrbios do sono, rigidez e tremores. No entanto, cerca de 20% das pessoas que usaram cannabis recentemente não apresentaram melhora significativa em seus sintomas. A maioria dos usuários de cannabis relatou não ter uma recomendação de maconha medicinal de seu médico de atenção primária.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

“Nossos resultados sugerem que, embora existam muitas pessoas com DP usando cannabis como um tratamento complementar para seus sintomas motores e não motores, a falta de orientação formal sobre o uso de cannabis para DP pode estar subjacente a inconsistências no uso e eficácia relatada,” os autores escreveram.

A pesquisa destaca a necessidade de mais pesquisas sobre a cannabis como tratamento para DP e outras condições de saúde. Embora mais de 75% dos entrevistados da pesquisa tenham relatado que não haviam usado cannabis recentemente, a maioria deles disse que as evidências que apoiam a cannabis como um tratamento para DP seriam influentes para mudar seu pensamento em relação a planta.

Confira outros conteúdos sobre a cannabis para a doença de Parkinson publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese