Uso de cannabis na gravidez pode estar associado a um maior risco de autismo no feto

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Nos últimos anos, vários estudos observaram um aumento no uso de cannabis entre mães grávidas, em particular em regiões onde o uso adulto de cannabis foi legalizado (Foto: freestocks.org/Pexels)

As mães canadenses que usaram cannabis durante a gravidez tinham um pouco mais de probabilidade de dar à luz uma criança que recebeu um diagnóstico de transtorno do espectro do autismo, de acordo com um novo estudo. Um especialista advertiu para que conclusões de causalidade não fossem tiradas, no entanto.

>>> Participe do grupo do Sechat Notícias no WhatsApp e receba primeiro as informações sobre Cannabis medicinal do Brasil e do mundo

O estudo, publicado na Nature Medicine, realizou uma análise retroativa de todos os nascidos vivos em Ontário, Canadá, entre 1º de abril de 2007 e 31 de março de 2012, com foco nos resultados do neurodesenvolvimento infantil. Os pesquisadores descobriram que a incidência de diagnóstico de transtorno do espectro do autismo foi de 4 por 1.000 pessoas entre as crianças com exposição à cannabis no útero, em comparação com 2,42 entre as crianças não expostas.

“Este é um primeiro passo interessante, mas mais trabalho é necessário para implicar o uso materno de cannabis especificamente no risco de autismo”, disse Danielle Fallin, diretora do Centro Wendy King para Autismo e Deficiências de Desenvolvimento da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg em um e-mail enviado para a NBC News.

>>> Sechat oferece serviço gratuito para pacientes e médicos prescritores de Cannabis medicinal

Os pesquisadores disseram que descobriram “uma associação entre o uso maternal de cannabis na gravidez e a incidência de transtorno do espectro do autismo na prole”. Para deficiência intelectual e distúrbios de aprendizagem, o pesquisador disse que houve uma incidência maior, embora menos estatisticamente robusta.

“Existem receptores canabinoides presentes no feto em desenvolvimento e a exposição à cannabis pode afetar a fiação do cérebro em desenvolvimento”, disse o autor principal do estudo, Daniel Corsi, à NBC.

>>> Canabinoides podem combater infecções intestinais

Nos últimos anos, vários estudos observaram um aumento no uso de cannabis entre mães grávidas, em particular em jurisdições onde a cannabis foi legalizada. Um estudo publicado em maio de 2020 descobriu que o uso de cannabis durante a gravidez aumentou de 6% das mães antes da legalização na Califórnia para 11% após a legalização.

Um estudo realizado no Canadá descobriu que após a legalização da planta no país, a prevalência do uso de cannabis na gravidez aumentou de 1,2% em 2012 para 1,8% em 2017. Uma tendência semelhante foi encontrada em um estudo realizado nos EUA, que descobriu que de 2002 a 2014, o uso de cannabis entre mulheres grávidas adultas nos EUA aumentou de 2,4% para 3,9%.

Embora a cannabis às vezes seja recomendada por trabalhadores de dispensários como remédio para os enjoos matinais, muitos médicos alertam contra seu uso durante a gravidez. Em janeiro de 2020, o Office of Environmental Health Hazard Assessment da Califórnia adicionou cannabis e fumaça de THC à sua lista de “produtos químicos naturais e sintéticos que são conhecidos por causar câncer ou defeitos congênitos ou outros danos reprodutivos”.

>>> Saiba como será vendido o óleo de Cannabis medicinal mais barato do Brasil

Enquanto isso, uma meta-análise realizada em 2016 descobriu que a exposição ao THC durante a gravidez causou menor peso ao nascer e uma maior chance de admissão em uma unidade neonatal.

Embora os médicos tenham aconselhado contra o uso de cannabis durante a gravidez, há pesquisas promissoras para saber se ela pode ser um tratamento eficaz para crianças com autismo.

Fonte: Ben Hartman/Cannigma

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese