Uso adulto de cannabis pode estar associado a complicações após procedimentos cardiovasculares

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Outro dado demonstrado pelo estudo foi que os usuários de cannabis tiveram taxas significativamente mais baixas de pressão alta, diabetes e colesterol alto, embora não tenha ficado claro o motivo (Foto: Anna Shvets/Pexels)

Uma análise de pacientes de Michigan que fizeram uso adulto de cannabis e fizeram angioplastia descobriu que eles tinham um risco maior de derrame após o procedimento. Essa foi uma conclusão preliminar de um estudo apresentado nas Sessões Científicas 2020 da American Heart Association (AAA), que aconteceu virtualmente de 13 a 17 de novembro.

No estudo de Michigan, os pesquisadores usaram um registro estadual de mais de 113 mil pacientes submetidos à angioplastia de janeiro de 2013 a outubro de 2016. Ao todo, 3,5% dos pacientes relataram fumar cannabis – o uso da planta para fins medicinais era legal no estado durante o estudo período, mas para uso adulto, não – dentro de um mês do procedimento de intervenção coronária percutânea (ICP), que inclui angioplastia e colocação de stent.

>>> Participe do grupo do Sechat Notícias no WhatsApp e receba primeiro as informações sobre Cannabis medicinal do Brasil e do mundo

“Embora fumar cannabis esteja associado a um risco maior de derrame após a ICP, isso deve ser interpretado com cautela devido à taxa geral muito baixa de derrame após a ICP”, disse o doutor Sang Gune Yoo, médico residente em medicina interna da Universidade de Michigan e o principal autor do estudo.

Comparando fumantes de cannabis  com não usuários, o estudo também descobriu que os membros do primeiro grupo tinham um risco aumentado de sangramento em aproximadamente 50% após a ICP e uma redução no risco de lesão renal aguda. Em relação ao risco de morte ou necessidade de hemotransfusão, “não houve diferenças significativas”, segundo a AAA.

>>> Sechat oferece serviço gratuito para pacientes e médicos prescritores de Cannabis medicinal

O estudo não considera se “os efeitos da cannabis são dependentes da dose ou relacionados ao método de ingestão”, aponta o doutor Devraj Sukul, autor sênior do estudo e cardiologista intervencionista da Universidade de Michigan. “Essas seriam questões importantes para responder em pesquisas futuras”, diz.

Com o uso de maconha em ascensão, ele aconselhou que os profissionais médicos e os pacientes deveriam estar cientes dos riscos aumentados mencionados e que os médicos deveriam examinar e aconselhá-los sobre a cannabis antes dos procedimentos.

>>> Argentina aposta na ampliação do acesso à Cannabis medicinal com segurança

Um estudo publicado recentemente descobriu que os usuários de cannabis que passaram por uma cirurgia precisaram de mais anestésico em comparação com aqueles que não consumiram a planta. Os consumidores de cannabis também relataram mais dor após a cirurgia e receberam mais opioides enquanto ainda estavam no hospital.

Um segundo estudo apresentado durante as sessões científicas AAA 2020 avaliou a prevalência e o impacto do uso de cannabis nas internações hospitalares de pacientes que tiveram ataques cardíacos anteriores e procedimentos de revascularização. A revascularização, que restaura o fluxo sanguíneo para o coração, inclui ICP não cirúrgica e cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM).

Usando a Amostra Nacional de Pacientes Internos, os pesquisadores avaliaram a taxa de admissões hospitalares em pacientes que fumaram e não fumaram cannabis, e que também tinham um histórico de ataque cardíaco anterior, ICP e / ou CRM de 2007 a 2014.

>>> Canabinoides sintéticos podem estar associados ao aumento de hospitalizações e mortes de idosos com doenças pulmonares

A revisão descobriu que 67% dos sobreviventes de ataques cardíacos que fumaram cannabis tiveram um ataque cardíaco subsequente contra 41% dos não usuários de cannabis. Fumantes da planta também apresentaram taxas mais altas de hospitalizações por ICP e CRM recorrentes.

Mais positivamente, a declaração da AAA aponta que os usuários de cannabis tiveram taxas significativamente mais baixas de pressão alta, diabetes e colesterol alto, embora não esteja claro o motivo.

“Seria preocupante que a frequência de ataques cardíacos recorrentes e intervenções cardíacas fosse maior entre os usuários de cannabis, embora eles fossem mais jovens e tivessem menos fatores de risco para doenças cardíacas”, disse o doutor Rushik Bhuva, do Centro de Saúde Comunitária Wright em Scranton, no estao da Pensilvância.

>>> Pessoas que fazem uso da cannabis precisam de mais anestesia durante uma cirurgia e mais medicamentos para se recuperarem

Bhuva também observa que o aumento no uso de cannabis entre pacientes que já tiveram um ataque cardíaco ou procedimento de revascularização coronária é “alarmante”. “O papel da cannabis medicinal, seus benefícios e riscos potenciais no que diz respeito ao controle cardiovascular precisam ser validados em estudos maiores”, acrescenta.

Ele recomenda que os médicos considerem a triagem dos usuários de cannabis em uma idade mais precoce para fatores de risco potenciais de ataques cardíacos futuros.

Fonte: Angela Stelmakowich/The GrowthOp

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese