Venda de cigarros eletrônicos cai nas lojas de Cannabis nos EUA

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Por Valéria França

Diminuiu o consumo de vape, o chamado cigarro eletrônico, em lojas de Cannabis nos EUA. Em Seattle, em um dos estabelecimentos mais antigos e melhores do ramo da cidade, a Have a Heart, ele está entre os produtos menos vendidos. O atendente explica que isso é recente. O produto foi um hit entre 2018 e 2019.

Um cliente assíduo da loja, um brasileiro de 40 anos, que não quis se identificar, disse que costumava usar o vape com THC– ele também pode ser usado com CBD e nicotina. Mas foram tantas “as notícias sobre uma doença doença pulmonar causada pelo aparelho”, que ele o deixou de lado. Por isso, voltou a comprar o tradicional cigarro de maconha. “Fiquei assustado. Eu tô ligado que tem um risco”, disse.

Seattle é a maior e mais populosa cidade do estado de Washington– cujo território registrou queda do consumo de 19%, em agosto, para 10,8%, em dezembro. Os Governo dos EUA foi rápido em divulgar os riscos que a população enfrentava ao usar o vape logo depois de uma série de internações de emergências.

O acessório surgiu como um recurso indicado por médicos a pacientes que desejavam parar de fumar. Em setembro de 2019, o número de pessoas internadas com problemas pulmonares relacionados ao vape chegou a 220 – um pico na estatística do ano.

O primeiro caso registrado foi o de um jovem, que chegou ao hospital com vômito, tosse, dores abdominais e dificuldade de respirar. Depois de muitas análises, os médicos descobriram que o paciente costumava usar vape, ora com THC, ora com nicotina. O último recurso, para evitar que morresse, foi ligá-lo a um pulmão artificial. O rapaz sobreviveu e virou tema artigo da revista New England Journal of Medicine.

Até 18 de fevereiro, 2.807 pessoas foram hospitalizadas em 50 estados americanos, no distrito de Columbia, em Puerto Rico e nas Ilhas Virgens. Deste total 68 pacientes morreram.  

De acordo com o CDC, 82% usaram o vape com THC e 57% com nicotina. Dos pacientes reportados, 78% adquiriram o produto no mercado paralelo.

O problema

Os pesquisadores encontraram nos pulmões dos pacientes, acetato de vitamina E. A substância é usada para diluir o THC e aumentar assim os lucros de quem vende. Como o THC não é regulamentado, o líquido colocado no aparelho pode conter qualquer tipo de substância. O acetato de vitamina E é um suplemento colocado em alimentos, mas quando inalado provoca doenças pulmonares.

O que são os cigarros eletrônicos

Em inglês vapes e e-cigarettes, são pequenos aparelhos que aquecem um líquido, transformando-o em aerossol para serem aspirados. Podem conter nicotina e óleos de THC ou CDB, com aditivos e flavorizantes.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES
ASSINE NOSSA NEWSLETTER