Argentina aprova dois projetos de pesquisa sobre cannabis medicinal

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
O cultivo será em recinto fechado e a ideia é que se desenvolva uma ampla base genética para “lidar com as novas patologias” que se estabelecem no Programa Nacional (Foto: Halloween HJB/Pixabay)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de Industria Cannabis (Ingrid Sept Lasser)

Por meio da publicação das Resoluções 556/21 e 571/21 no Diário Oficial da União da Argentina, o Ministério da Saúde aprovou dois projetos de pesquisa sobre o cultivo de cannabis para fins médicos e científicos. Ambos foram apresentados no início de dezembro de 2019.

Os documentos oficiais, assinados pelo Ministro Ginés González García, outorgam intervenção ao Instituto Nacional de Sementes (INASE), a fim de garantir a rastreabilidade dos produtos vegetais. Além disso, estabelecem que os responsáveis ​​pelos projetos devem apresentar relatórios trimestrais de andamento ao Programa Nacional de Estudo e Pesquisa do Uso Medicinal da Planta Cannabis.

A Resolução 556/21

A iniciativa aprovada pela Resolução 556/21 foi apresentada pelo Centro Nacional de Pesquisa Agropecuária do Instituto de Tecnologia Agropecuária (INTA). Em suma, ela funciona em conjunto com o BCBD Medicinal SA, empresa uruguaia com presença na Argentina. O objetivo do projeto é, sobretudo, “gerar capacidades, através da articulação público-privada, para o desenvolvimento de germoplasma de cannabis sob padrões de qualidade e controle que permitam a obtenção de material vegetal para pesquisa científica e médica. Além da produção de derivados de cannabis e sua inclusão em programas de melhoramento genético.”

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

O cultivo será em recinto fechado e a ideia é que se desenvolva uma ampla base genética para “lidar com as novas patologias”. O objetivo da presença do BCBD Medicinal é proporcionar know-how em termos de qualidade, segurança e controle do cultivo. Além de um trabalho conjunto de pesquisas onde o conhecimento sobre a planta possa ser produzido e ampliado na área medicinal e industrial.

A Resolução 571/21

Por outro lado, a Resolução 571/2021 aprovou um projeto apresentado pelo Ministério de Saúde Pública de San Juan, por meio da empresa Cannabis Medicinal San Juan Sociedad del Estado (CanMe) e INTA. Entretanto, esta é a Fase 1 do projeto. Será realizada uma safra piloto com o objetivo de “avaliar o comportamento de diferentes variedades de cannabis medicinal sob diferentes condições de manejo na propriedade estatal definida”, que ocupará uma área de 30 hectares.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

As sementes importadas chegam a um volume total de 5,5 kg e vêm do Canadá, Estados Unidos, Colômbia, Chile, Suíça e Holanda, entre outros países. Quanto à contribuição que o setor privado poderá dar a esta iniciativa, terá um papel de assessoramento agroindustrial, tecnológico e científico.

O processo de germinação funcionará em viveiros e o cultivo terá diferentes formas. Será em campo aberto ou ao ar livre, em estufas, na forma de produção de estufa orgânica e aeropônica; enquanto o processo de pós-colheita será feito em áreas internas adjacentes à fazenda.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

A ideia de manejar diferentes modalidades é porque o projeto San Juan busca não só quais são as variedades genéticas que melhor se adaptam a sua terra, mas também quais serão as formas mais adequadas e rentáveis ​​de cultivo. Se a primeira etapa for bem-sucedida, a CanMe pode começar a desenvolver seu próprio banco de sementes.

Confira outros conteúdos sobre a cannabis na Argentina publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese