Assessor especial de Bolsonaro critica uso da Cannabis medicinal

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Arthur Weintraub, assessor especial do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e irmão do Ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou na tarde desta quinta-feira (21) seus perfis no Twitter e no Instagram para criticar o uso da Cannabis medicinal.

Na publicação, o assessor compartilhou o link de uma matéria com o título “Entenda os efeitos do uso da maconha no organismo humano” e comentou: “Maconha tem efeitos colaterais graves. Mas não vemos comunista/liberal falar disso. Para eles, maconha, mesmo alterada geneticamente (soja não pode alterar, né?), é a coisa mais pura e medicinal que existe. E querem que as pessoas possam escolher usar.”

No Instagram, apoiadores do presidente e da fala de Weintraub fizeram uma conexão entre a publicação do assessor e o debate sobre o uso da cloraquina como possível tratamento contra o Covid-19.

Uma das seguidoras afirmou: “E além do quê a cloroquina só será usada pelo tempo que durar o tratamento, em média 5 dias, diferente dos usuários da maconha.”

Outro seguidor endossou a crítica com base na sua suposta experiência com a Cannabis: “Tenho epilepsia e o médico me recomendou esta merda. Usei por quase um ano. Crises mais pesadas e o ‘medicamento natural’ ainda me custava R$ 400.”

Um seguidor colocou a criatividade para funcionar e afirmou que o nome Cannabis vem de canibalismo: “Toda maconha comercializada para viciados é alterada geneticamente. Na antiguidade a cannabis era utilizada em rituais com sacrifício humano e canibalismo. O nome cannabis não parece com canibalismo atoa.”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES
ASSINE NOSSA NEWSLETTER