Câmara dos Estados Unidos aprova lei que legaliza a cannabis em nível federal

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Aaron Schwartz/Pexels)

A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou um projeto de lei para legalizar a maconha em uma votação histórica nesta sexta-feira (4). É o dia em que os defensores da reforma da maconha vêm construindo há anos – uma votação em plenário para acabar com a proibição em uma câmara do Congresso.

Os deputados votaram pela legalização da maconha com 228 a favor e 164 contrários. A votação é uma primeira etapa porque o projeto para virar lei ainda precisa ser aprovado no Senado.

>>> Na ONU, Brasil vota contra a retirada da cannabis da lista mais restritiva de drogas

De acordo com a Lei de Oportunidades, Reinvestimento e Expurgo da Maconha (MAIS), a cannabis seria cancelada pelo governo federal e aqueles com condenações anteriores teriam seus registros eliminados, com possibilidade de efeito retroativo.

Caso a proposta obtenha aprovação também no Senado, a Cannabis não será mais ilegal em nível federal, mas, ainda assim, caberá aos estados decidirem se permitirão a venda, consumo e plantio dentro de seu território, uma vez que as leis estaduais que a tornam ilegal permaneceriam em vigor.

>>> Conheça na íntegra o projeto de legalização da Cannabis medicinal e industrial no Brasil

Contudo, a aprovação pelos deputados funcionaria como uma espécie de “aval” para que, caso os estados queiram legalizá-la, o trâmite seria facilitado por a maconha deixar de constar na lista de substâncias controladas.

Apesar da vitória sem precedentes dos reformadores na Câmara, poucos acreditam que a legislação tenha uma chance no Senado controlado pelos republicanos, pelo menos antes do final do atual Congresso no início do mês que vem. A vice-presidente eleita Kamala Harris (D-CA) é a principal patrocinadora da versão do projeto que acompanha o Senado.

>>> Se plantio de Cannabis for aprovado, preço de medicamento no mercado deve ficar 50% mais barato

Antes da aprovação do projeto de lei, o debate no plenário consistia basicamente em democratas argumentando que a reforma ajudaria a consertar os erros da guerra racista contra as drogas, e os republicanos argumentando que a legalização causaria danos às crianças e à segurança pública e que agora é não é o momento certo para considerar a questão em qualquer caso.

“Em todo este país, milhares de homens e mulheres sofreram desnecessariamente com a criminalização federal da cannabis, especialmente em comunidades de cor, e arcaram com o peso das consequências colaterais para aqueles enredados em sistemas legais criminais que prejudicaram nossa sociedade por gerações”, Sheila Jackson Lee (D-TX) disse em seu discurso de abertura. “Isso é inaceitável e devemos mudar nossas leis. É hora de o Congresso acompanhar as reformas que os estados estão implementando ”.

>>> Bolsonaro sobre o PL 399: “não haverá liberação de drogas, nem plantio”

O deputado Matt Gaetz (R-FL), o único co-patrocinador republicano da legislação, disse que embora ache que o projeto é “falho”, ele está votando a favor porque, segundo ele, o governo federal mentiu para o povo deste país sobre a cannabis por uma geração. “Vimos uma geração, principalmente de jovens negros e pardos, presos por crimes que não deveriam ter resultado em qualquer tipo de encarceramento”, disse ele.

O democrata de quarto lugar na Câmara, Rep. Hakeem Jeffries (D-NY), disse que a criminalização da cannabis representa “uma mancha em nossa democracia”, enfatizando as disparidades raciais em curso na aplicação, apesar do fato de que negros e brancos usam cannnabis aproximadamente na mesma proporção.

>>> Para Ducci, maior obstáculo à aprovação do PL 399/2015 é a falta de conhecimento sobre a proposta

A co-presidente do Congresso da Cannabis Caucus, Barbara Lee (D-CA), disse que a Lei MORE “é uma importante medida de justiça racial e que é produto de anos de trabalho de tantos ativistas, defensores e jovens – e está muito atrasada”.

Antes da votação sobre a aprovação final, a Câmara considerou uma moção para se comprometer novamente – a única ferramenta do partido minoritário para alterar o projeto – da Rep. Debbie Lesko (R-AZ) para adicionar linguagem esclarecendo que “um empregador pode testar um funcionário ou candidato para o uso de cannabis para garantir a segurança pública e no local de trabalho.” Essa proposta foi rejeitada por uma contagem de 218 a 174.

Fonte: Kyle Jaeger/Marijuana Moment

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese