Carlini: reconhecimento internacional a um dos maiores pesquisadores brasileiros

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Há 40 anos, Carlini realizou o primeiro estudo mundial usando a Cannabis medicinal para tratar Epilepsia em humanos. Embora existam outros relatos de casos de estudos utilizando o canabidiol para a epilepsia, o trabalho de Carlini foi o primeiro estudo duplo-cego e randomizado

Na semana passada, no dia 16, faleceu o professor e pesquisador Elisaldo Carlini, considerado a maior referência no Brasil e uma das mais importantes no mundo quando se trata de pesquisa sobre Cannabis medicinal.

O Sechat, portal dedicado à maconha medicinal e aos negócios da Cannabis, considera a morte de Carlini uma perda irreparável. Ele não era apenas um professor e cientista brilhante, mas um ser humano fantástico que criou laços afetivos que vão muito além das relações profissionais. Assim como a direção e a equipe do Sechat, todos os defensores da causa da Cannabis medicinal no Brasil estão profundamente tristes, pois o país perdeu uma de suas maiores referências.

Estudo de Carlini projetou o Brasil para o mundo

Considerado o maior nome da ciência brasileira quando o assunto é Cannabis medicinal, Carlini era um dos maiores especialistas em entorpecentes do Brasil, e um dos mais respeitados internacionalmente, tendo estudado os efeitos da maconha e de outras drogas em nível experimental durante toda sua vida profissional.

>>> Falecido na semana passada, Carlini era referência para todos que lutam pela Cannabis medicinal

Foi condecorado duas vezes pela Presidência da República por seu trabalho como pesquisador, citado 12 mil vezes em pesquisas científicas nacionais e internacionais. Foi presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e membro do Conselho Econômico Social das Nações Unidas (ECOSOC/ONU).

Doutor honoris causa de inúmeras universidades, dentro e fora do país, e realizou estudos de pós-doutorado na Universidade de Yale. Teve mandatos como membro do Expert Advisory Panel on Drug Dependence and Alcohol Problems, da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, foi pesquisador emérito do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

>>> Carlini: “Se o Ministério da Saúde quiser discutir esse assunto, mesmo numa maca eu irei”

Sua carreira e sua trajetória como intelectual, cientista e militante pela legalização da maconha medicinal mostram a grandeza do professor Carlini, tendo vivido a pesquisa e a vida acadêmica em dedicação exclusiva, até o último instante.

Por toda sua contribuição, está circulando o PL 399/2015 que traz a possibilidade de cultivo e produção de remédio à base de Cannabis em nosso país e, em abaixo-assinados é pedido que a Lei tenha o nome de Lei Elisaldo Carlini, prestando devida homenagem ao pioneiro nos estudos sobre a Cannabis para controle de epilepsia no Brasil.

>>> Pioneiro no mundo no uso da Cannabis medicinal para convulsões, Carlini nos deixou nesta quarta (16)

Dr. Carlini formou-se em Medicina pela Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) em 1956, instituição na qual é professor emérito, foi professor do Departamento de Farmacologia e fundou o Departamento de Psicobiologia da EPM, além de ter fundado e dirigido o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid). Foi membro do Departamento de Medicina Preventiva da EPM e contribuiu para a formação do Instituto de Ciências Ambientais Químicas e Farmacêuticas, Campus Diadema da Unifesp. Foi orientador de diversos programas de pós-graduação, tendo formado gerações de pesquisadores (as) e cientistas. Até seu falecimento estava atuando como orientador de mestrado e doutorado do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp.

Fonte: FCMSCSP

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese