Contrários à Cannabis querem limitar THC para conter indústria

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Membros da indústria sugerem que tais movimentos podem significar um retorno à proibição (Foto: Tim Mossholder/Pexels)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de Marijuana Business Daily (John Schroyer)

Os oponentes da cannabis, frustrados com o número crescente de vitórias na legalização nos Estados Unidos, estão tentando controlar cada vez mais a indústria. Estão sendo propostos limites estaduais à potência do THC.

A pressão envolve pelo menos seis projetos de lei apresentados em quatro legislaturas estaduais: Flórida, Massachusetts, Montana e Washington.

>>> Siga o Sechat no INSTAGRAM

Membros da indústria sugerem que tais movimentos podem significar um retorno à proibição. Isso porque muitas das propostas limitariam o THC abaixo do que está atualmente disponível em muitos mercados legais estaduais.

Banir esses produtos, alertam os defensores da indústria, criaria um novo mercado ilícito para a cannabis de alta potência e geraria mais competição clandestina para as empresas de maconha legal. Isso, por sua vez, poderia reiniciar a guerra contra as drogas.

“Estamos apenas seguindo pelo caminho errado”, disse Chris Lindsey, diretor de relações governamentais do Marijuana Policy Project, com sede em Washington DC, acrescentando que os limites de THC são uma “política terrível”.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Lindsey apontou a crise dos produtos de vaporização de 2019 como um exemplo de como os produtos de maconha ilegais e não regulamentados criam mais risco para os consumidores do que a cannabis legal de alta potência.

O risco para um limite de THC a nível nacional

Ultrapassar os esforços em nível estadual é uma ameaça maior: a possibilidade de um limite de potência federal ser incluído em qualquer estrutura de legalização nacional.

Dois senadores dos EUA levantaram essa possibilidade em um recente relatório bipartidário do Caucus on International Narcotics Control.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

O relatório, emitido por Sens. John Cornyn, um republicano do Texas, e Dianne Feinstein, uma democrata da Califórnia, inclui uma recomendação de que o National Institutes of Health e a Food and Drug Administration dos EUA desenvolvam sua própria recomendação sobre “se os estados devem limitar o potência dos produtos (de cannabis) que podem ser vendidos.”

Cenário atual

Até o momento, apenas um estado com um mercado de cannabis funcional adotou limites de potência para seu mercado de maconha recreacional ainda não lançado: Vermont. A decisão limitará o THC a 30% em flores e 60% em concentrados sólidos.

Por outro lado, nenhum outro mercado de maconha para adultos tem limites de potência de qualquer tipo e, embora 30% de THC seja o limite máximo para a planta de cannabis, os concentrados costumam ser tão potentes quanto 80% ou 90% de THC.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

O mercado de uso adulto está previsto para ser lançado em maio de 2022. Um gerente de dispensário de Burlington previu que as limitações empurrarão os apreciadores de concentrado, em particular, para fazer compras em estados próximos que ainda não adotaram tais limites.

“As pessoas que querem esses produtos, provavelmente irão para fora do estado. Temos muitas pessoas que vão a Massachusetts e Maine para ter acesso aos produtos”, disse Bridget Conry, diretora de marketing e divulgação do Champlain Valley Dispensary.

No Colorado, a deputada estadual democrata Yadira Caraveo provocou alvoroço quando um projeto de lei vazou para a mídia. Conforme redigido, o projeto teria limitado a potência do THC para todos os produtos de maconha – tanto para fins medicinais quanto adultos – em 15%.

Isso tornaria pelo menos 65% dos produtos atualmente no mercado ilegais, estimou Peter Marcus, diretor de comunicações da Terrapin Care Station de Boulder.

Após a resistência, Caraveo arquivou a medida e não está claro se tal legislação será introduzida este ano.

Flórida

Uma medida, o HB 1455 , limitaria o THC em 10% para todas as flores de maconha vendidas na Flórida e 60% de THC para todos os concentrados e outros tipos de produtos, exceto comestíveis.

A medida foi aprovada em um comitê da Câmara da Flórida no início de março em uma votação partidária, com todos os republicanos a favor e todos os democratas contra.

Entretanto, as propostas deixaram os defensores da cannabis em pé de guerra, e uma campanha política liderada pela organização sem fins lucrativos Florida for Care se mobilizou para eliminar os dois projetos.

“Esta é uma ameaça existencial, não apenas para a indústria, mas para toda a ideia da cannabis medicinal na Flórida”, disse o assessor do Florida for Care, Ben Pollara.

Massachusetts

Os legisladores enfrentam dois projetos de lei diferentes. O primeiro, HD 2841, proibiria: flor de cannabis com THC superior a 10%; cartuchos Vape que excedem 5 miligramas por dose medida ou potência de mais de 10% de THC.

É provável que esse projeto seja aprovado porque os democratas dominam o Legislativo, disse Adam Fine, advogado de Vicente Sederberg, residente em Boston.

Mas, em vez disso, o projeto de lei que ele acredita que poderia ser mais problemático para a indústria é o SD 465. Essa medida exigiria que a Comissão de Controle da Cannabis estadual adote “limites de potência razoáveis ​​para cada tipo de produto de maconha.”

Montana

Os legisladores supostamente acabaram com o SB 341, uma proposta que teria limitado a potência do THC a 15% em todos os produtos de uso adulto. Entretanto, o projeto não teria impacto sobre a maconha medicinal.

Conforme disse Lindsey, do MPP, há a probabilidade do limite de potência do THC ainda ser reintroduzido em outro projeto de lei este ano.

Estado de Washington

O Legislativo já ultrapassou o prazo para o avanço do HB 1463, que teria proibido todos os concentrados com mais de 30% de THC.

Em suma, isso significa que o projeto de lei está efetivamente morto este ano, disse Aaron Pickus, porta-voz da Washington CannaBusiness Association.

Mas isso não significa que o problema em si tenha acabado. Isso especialmente porque este é o segundo ano consecutivo em que tal política foi apresentada por um legislador de Washington, acrescentou Pickus. Por isso, ele previu que provavelmente aparecerá novamente.

Confira outros conteúdos sobre o THC publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese