Documentário da Netflix afirma que Cannabis pode salvar vidas

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Até onde você iria por uma criança que sofre de um tipo muito agressivo de câncer no cérebro? O que você faria se os médicos dissessem que ele tinha cerca de oito meses de vida? 

O documentário da Netflix aclamado pela crítica “Weed the People” mostra famílias desesperadas que estão ficando sem tempo e não têm escolha a não ser buscar opções alternativas para salvar a vida de seus entes queridos. O novo documentário do canal por streaming segue as histórias de famílias que se voltaram para a Cannabis medicinal.

“Cannabis é um medicamento? Tem sido um remédio há milhares de anos. Só não tem sido medicina [nos EUA] há 70 anos. ”

Durante os 97 minutos de duração do documentário, repleto de citações perturbadoras e enfurecedoras, isso, acima, leva o bolo.

Nos Estados Unidos, o uso de Cannabis medicinal foi aceito e amplamente reconhecido por seus benefícios entre os médicos.

No entanto, o The Marijuana Tax Act em 1937 foi uma lei de proibição por medo em relação ao uso recreativo de Cannabis. A cannabis foi usada como tratamento para muitas condições, incluindo neuralgia, alcoolismo, dependência de opioides e até picada de cobra.

Embora o projeto de lei visasse proibir qualquer tipo de uso não médico, também teve um grande impacto no uso médico da droga. Independentemente do argumento da American Medical Association sobre a falta de substitutos disponíveis, a Cannabis foi removida da Farmacopeia dos Estados Unidos.

>>> Legalização da Cannabis: Onde está a Cannabis Legal nos EUA?

Em suma, é por isso que foi negado às pessoas nos Estados Unidos um tratamento que poderia ter um impacto sobre seu bem-estar; tratamento que poderia ter, em vários casos, salvado suas vidas.

Mesmo que em 2020 existam 33 estados onde o uso medicinal de Cannabis é legal, a indústria ainda tem que lutar contra o preconceito e o preconceito.

>>> A evolução da Cannabis nos EUA

Weed the People foi corajoso o suficiente para quebrar o estigma e fazer as perguntas que outros não tinham feito antes.

A Cannabis é um agente anticâncer?

Sophie Ryan era apenas um bebê quando os médicos a diagnosticaram com Glioma das vias ópticas. É um tumor cerebral extremamente sério que se forma ao redor do nervo óptico. O tumor, em alguns casos, pode causar cegueira.

Os pais de Sophie foram inflexíveis ao dizer que não queriam que ela fizesse quimioterapia, então eles estavam atrás de um tratamento alternativo.

>>> Estudo aponta que CBD pode funcionar como tratamento em casos de câncer no cérebro

Sua mãe, Tracy Ryan, era contra a Cannabis. No entanto, eles optaram por tentar:

“Literalmente 1.000 estrelas tiveram que se alinhar para que finalmente mudássemos de ideia sobre a Cannabis. Essa foi a única coisa que simplesmente descartamos completamente e nos recusamos a pesquisar porque achávamos que era muito ridículo. ”

Foi assim que encontraram Mara Gordon, a fundadora da Tia Zelda’s Inc. Os Ryans acabaram optando por ir junto na ideia, embora soubessem que a Sra. Gordon não tinha treinamento médico.

Embora os especialistas e pesquisadores ainda estejam no escuro sobre a Cannabis, já que não há pesquisa suficiente disponível, alguns afirmam que os efeitos benéficos da Cannabis são extraordinários.

>>> Cannabis e células cancerígenas – Nova pesquisa de uma Universidade australiana

Amanda Reiman, uma especialista em políticas de drogas, disse:

“As pessoas usam Cannabis como medicamento há 5.000 anos”

“O THC sempre foi a estrela do show porque é o mais psicoativo. Mas então a pesquisa começou a mostrar que havia muitos outros canabinoides na planta que tinham tantos, se não mais, efeitos terapêuticos”, disse ela. 

Além disso, muitos pesquisadores acreditam que a Cannabis está reduzindo os problemas com opioides e outros produtos farmacêuticos. O vício em opioides e a overdose podem ser um perigo real durante o tratamento do câncer.

>>> Estudo descobre consumo reduzido de opioides entre pacientes com dor crônica que usam Cannabis

A má notícia, entretanto, é que embora a primeira evidência de que a Cannabis possa ter atividade anticâncer tenha vindo do National Cancer Institute em 1974, os especialistas afirmam que essas linhas de investigação de alguma forma desapareceram.

É um ciclo vicioso que permanece enquanto a Cannabis for classificada como droga de Classe I nos Estados Unidos. O Anexo I significa que pesquisas e testes são restritos por lei.

Embora em 33 estados dos EUA o uso de Cannabis medicinal seja legal, em 2016 a Drug Enforcement Administration (DEA) reafirmou sua posição e se recusou a remover a classificação de Tabela I.

“Parece ser tão importante que um grupo do NIH publicou uma revisão e disse que o sistema endocanabinoide está envolvido essencialmente em todas as doenças humanas. Os compostos da planta de Cannabis chamados canabinóides atuam nesses receptores”, disse Raphael Mechoulam, Professor de Química Medicinal.

>>> The Scientist – o filme sobre Raphael Mechoulam, o pelé da cannabis medicinal

Mark Ware, MD, Pain Medicine, and Neurology acrescentou: “Quando você ingere canabinoide de fora, fumando ou vaporizando ou comendo ou farmacêutico, você está de alguma forma mexendo com aquele sistema e ajustando a forma como os nervos e músculos e a comunicação acontecem.”

Mas, de alguma forma, a atitude em relação à Cannabis está mudando muito lentamente. Nesse sentido, Weed the People pretende mostrar também o outro lado do argumento.

Os diretores conseguiram encontrar o equilíbrio certo. Como ainda há muitas desinformações, era importante mostrar que a Cannabis, por si só, pode não ser capaz de tratar o câncer.

>>> Selecionamos dez filmes sobre o mundo canábico para assistir durante a quarentena

As partes mais comoventes do filme foram quando o médico de Sophie ligou para dizer a seus pais que ela precisaria de quimioterapia imediatamente – independentemente de continuar com o tratamento com Cannabis.

De acordo com o crédito final, felizmente, tanto Sophie quanto outra criança, que recebeu tratamento tradicional e com Cannabis, provavelmente serão capazes de viver uma vida saudável.

>>> Criança desenganada pelos médicos ganha chance de viver com a Cannabis

Por outro lado, o documentário sobre a maconha medicinal também mostra outra criança que teve oito meses de vida. Ele estava recebendo tratamento tradicional e Cannabis medicinal, mas infelizmente faleceu.

Enquanto a pesquisa significativa sobre o potencial da Cannabis medicinal for restrita, famílias, médicos e especialistas em medicina permanecerão no escuro.

Fonte: The Cannabis Exchange

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese