“Maconha me devolveu a vida”: conheça a história da pequena Carol

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A história da pequena Carolina Pereira da Silva viralizou nos últimos dias após sua mãe, a professora aposentada Liane Maria Pereira, de 50 anos, publicar uma foto da criança com uma muda de Cannabis e segurando um cartaz que diz: “6 gotas por dia, menos 4 anticonvulsivos e 1 ano e 8 meses sem crises. Maconha devolveu minha vida. Carol – RS).

A publicação feita no Facebook acendeu um debate na Internet sobre o uso da Cannabis. Na legenda da foto, a mãe diz: “Legalize pela Carol e por todos que precisam! O nosso remédio é a Cannabis💚”

Até a manhã desta segunda-feira (4), o post já tinha 67 mil compartilhamentos e 18 mil reações. Nos comentários constam as mais diversas opiniões sobre o assunto, além de muito comentários carregados de preconceito e desinformação, principalmente no compartilhamento feito pela página do Quebrando Tabu, que contém mais de 2,4 mil comentários.

O Sechat já contou a história da Carol por aqui. Portanto, vale a pena relembrar essa jornada que começou quando a pequena tinha apenas três anos. Após o uso da Cannabis, Carol deixou de ter 50 crises por dia.

Saiba mais sobre a vida dessa paciente.

Criança deixa de ter 50 crises de convulsão por dia com o uso da Cannabis

“Eu estava perdendo a minha filha. Ela estava definhando”, afirma a professora aposentada Liane Maria Pereira, de 50 anos, de Canoas (RS), que chegou a presenciar mais de 50 crises convulsivas na pequena Carol, quando ela tinha apenas três anos.

Caroline Pereira da Silva nasceu com uma doença rara chamada Síndrome de Dravet, o que lhe rendeu a primeira crise convulsiva quando tinha 25 dias. Porém o diagnóstico só chegou em 2015, depois de três anos tendo convulsões periódicas, mas que, ainda, não impactavam diretamente no seu desenvolvimento.

Carol começou a apresentar dificuldade em relação ao equilíbrio e as quedas se tornaram cada vez mais constantes e perigosas. Não demorou muito para ela estar em uma cadeira de rodas.

“Depois da cannabis medicinal, minha avó reconheceu o filho pelo nome”, diz neta de idosa com Alzheimer

Bebê desacreditada por médico nasce saudável após gestante usar óleo de Cannabis

“Maconha pra mim é remédio”, diz mãe de criança com Síndrome de Down e autismo

Então, as quedas se aliaram as dezenas de crises diárias, que ora eram febris, ora não e também apresentava crises focais que eram completamente inesperadas, momento crítico em que a família presenciava a pequena olhando por 40 minutos para um ponto fixo, momento que acionava o alerta da família e todos corriam para o hospital para traze-la de volta por meio da medicação intravenosa.

Diante de tantas quedas que a debilitavam ainda mais, Carol foi parar em uma cadeira de rodas em 2014. Até o diagnóstico, a saúde da criança só piorava. A paciente estava sendo medicada com cinco anticonvulsivos que a salvavam por um lado e a matavam pelo outro. Os efeitos colaterais estavam sendo devastadores. Carol desenvolveu hepatite medicamentosa, teve queda de plaquetas, problemas na tireoide, entre outros sintomas causados pelos fortes remédios.

Maconha como remédio

Foi então que a médica que a acompanhava Carol mostrou para a família os benefícios que alguns pacientes como Carol tinham a partir do uso do CBD.  

A família não pensou duas vezes, mesmo assumindo o preconceito que tinha em relação à maconha. Foi então que a médica prescreveu pela primeira vez o óleo e ajudou a família de Carol em todos os trâmites legais para conseguir importar o medicamento que, até então, seria pago pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

A ação contra o Estado, que pedia pelo pagamento do medicamento, foi deferida, mas não atendia a demanda da pequena. No princípio conseguiram o valor por três meses e no total o Estado acabou pagando apenas por nove meses. O jeito foi sair pedindo empréstimo, fazendo vaquinha com os amigos, pedindo doações na internet.

Porém, o óleo que conseguiram não reduziu as internações. Carol passou a ter menos crises, mas elas ficaram mais extensas. Então Liane percebeu que se quisesse que a filha realmente melhorasse teria que ser ainda mais ativa no processo de cura de Carol. Nessa altura do campeonato, a pequena estava na cadeira de rodas, com extensas crises convulsivas e se alimentando por meio de uma sonda.

Que comece a plantação

Em 2017, Liane conheceu a associação de Cannabis Cultive, que realiza atividades educativas e pedagógicas com o objetivo de disseminar os benefícios terapêuticos da Cannabis e ampliar o acesso. Então, fez as malas e partiu numa viagem do Sul rumo a São Paulo e foi aprender a plantar maconha para fazer um óleo mais completo para sua filha.

Em setembro daquele ano as primeiras sementes já estavam germinando e, no paralelo, corria na Justiça o direito de plantar, que veio em 2019 por meio de um Habeas Corpus.

Os resultados não poderiam ser melhores. No final de agosto de 2018, após vários cursos, incluindo de extração de óleo, a família produziu o primeiro medicamento em casa. No primeiro mês Carol não teve mais nenhuma crise.

A pequena toma o óleo com CBD e THC, além de outros canabinóides, produzido pela família há um ano e quatro meses. Além das crises terem cessado por completo, o que Liane acreditava ser benéfico para as crises passou a surtir resultados em outros problemas de saúde que sua filha apresentava.

Carol parou de usar a sonda gástrica para se alimentar e saiu da cadeira de rodas, que foi doada e maio de 2019. A família garante que vive um sonho e que nunca imaginou que a filha, hoje com dez anos, tomando seis gotinhas de óleo por dia, teria a chance de viver uma vida com mais qualidade, algo impensável num cenário de mais de 50 crises diárias.

Aos poucos, com ordem médica, Carol foi parando de tomar os anticonvulsivos. Dos cinco que tomava e a estavam deixando ainda mais debilitada, hoje ela só toma um. E com uma vida mais tranquila sobrou espaço para desenvolver outras aptidões. Liane diz que nunca achou que a filha fosse ser alfabetizada, mas agora ela copia letras, desenha e faz coisas inimagináveis para uma criança que convulsionava até dormindo.

A mãe sabe que teve que enfrentar barreiras sociais, morais e jurídicas para dar uma chance de vida para a filha. Hoje, ela garante que, diferente do que ela pensava antes, maconha presta sim, e é remédio que cura e dá a chance de pessoas como Carol de viver com qualidade.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese