ONU pode votar recomendações de cannabis em dezembro

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Especialistas no tema afirmam que uma votação que chancele a cannabis enviaria uma mensagem global sobre a mudança positiva para a sua aceitação, o que poderia ter efeitos multiplicadores em países e estados que permanecem inflexíveis contra ela (Foto: Erich Westendarp/Pixabay)

A Comissão das Nações Unidas sobre Drogas Narcóticas (CND) pode votar em 2 de dezembro as recomendações de cannabis da Organização Mundial da Saúde (OMS). A votação pode ser o desfecho de uma série de recomendações para produtos THC e CBD, incluindo produtos farmacêuticos de cannabis como Marinol, Syndros e Sativex. Se aprovado, os efeitos podem ser significativos para os consumidores e a indústria global.

O que há nas recomendações?

Entre suas recomendações, a OMS pede que todas as formas de THC sejam removidas da convenção de drogas de 1961, colocando-o junto com a maconha na Tabela 1, a classificação menos restritiva pelos padrões da ONU. Enquanto isso, os medicamentos farmacêuticos de cannabis seriam colocados no Anexo 3.

>>> Sechat confirma para 2021 o maior evento sobre Cannabis Medicinal no Brasil

A votação entre os 53 estados membros participantes foi adiada em março de 2020. Depois de ser apresentado pela OMS em janeiro de 2019, a primeira decisão de adiar veio em fevereiro de 2019, quando vários países membros, incluindo os Estados Unidos, solicitaram mais tempo para consideração.

Apesar dos atrasos, Jessica Steinberg, uma estudante de doutorado em estudos sócio-jurídicos da Universidade de Oxford com especialização em ativismo por cannabis, acredita que a votação ocorrerá desta vez. Steinberg, é uma delegada da ONU na Comissão de Entorpecentes, considera históricas as primeiras avaliações e consultas à cannabis.

Ela destacou os parâmetros do CBD de particular interesse. “Como se acordado, seria o primeiro canabinoide a não ser incluído nos tratados e acolheria os fluxos de comércio global”, afirmou.

>>> Câmara de Goiânia aprova regulamentação e distribuição de medicamentos à base de cannabis

O CBD também é de interesse, pois é uma votação separada das outras recomendações. É necessária maioria simples para que seja aprovado. Contudo, a votação não está garantida. Steinberg disse que enfrenta uma miríade de questões que vão desde a socioeconomia até obstáculos legais e burocráticos entre os países membros. “Não há certeza associada a um resultado positivo da votação no momento”, disse ela.

O possível impacto no mercado global de cannabis

Há esperança de que a votação programada possa influenciar os reguladores para permitir leis emendadas e análises laboratoriais ampliadas. Garrett Bain, presidente da EcoGen BioSciences , disse que a votação simboliza o progresso dos esforços de legalização e desestigmatização. “Mais importante, uma votação que chancele a cannabis ou permita o” uso médico” enviaria uma mensagem global sobre a mudança positiva para a aceitação da cannabis, o que poderia ter efeitos multiplicadores em países e estados que permanecem inflexivelmente contra ela”, acrescentou.

Grace Kaucic, gerente sênior de comunicações da Bluebird Botanicals , disse que os regulamentos não são a única mudança. A pesquisa também pode se beneficiar. “Isso também abriria a porta para pesquisas mais extensas sobre a cannabis e seus derivados, e pode até abrir caminho para outras drogas potencialmente terapêuticas, como psicodélicos, a serem usadas para fins medicinais”, disse.

>>> Senadora Mara Gabrilli quer discussão científica e sem ideologias no PL da Cannabis

A decisão não vinculativa não forçará uma mudança no mercado global, mas sua estrutura provavelmente influenciará as regulamentações nos principais órgãos governamentais, incluindo a União Europeia e a Food and Drug Administration dos EUA.

No entanto, Steinberg alerta que o resultado nem sempre leva a um desfecho favorável. “Uma votação pode levar a mais clareza, mas também pode levar a estruturas nacionais mais restritivas”.

Algum impacto nos EUA?

Steinberg enfatizou que o resultado da votação da ONU não deve ser confundido com a natureza complexa da própria legislação sobre a maconha na América. “Os dois estão interligados, mas não implicam inerentemente a causação do primeiro”, disse ela.

“A cannabis tem sido uma substância politizada por mais de um século, e isso ainda não mudou”, disse Steinberg, observando que as atuais circunstâncias políticas e sociais, como a pandemia e a economia, todas desempenham seu papel.

Fonte: Andrew Ward/Benzinga

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese